Cachoeiras, Cavernas e Aventuras no PETAR – SP, Brasil

Resumo: cavernas, cachoeiras, mirantes, trilhas e muitas histórias para contar da nossa viagem ao PETAR – um lugar surpreendente e cheio de magia, paisagens singulares e aventura.

Nossa terceira viagem ao Petar foi surpreendente e repleta de novidades: visitamos cavernas com passagens recém abertas ao público, admiramos a caverna com o maior pórtico do mundo, caminhamos por belas trilhas, conhecemos várias cachoeiras, ouvimos histórias misteriosas da região e ainda tivemos o privilégio de descansar numa hospedagem  inovadora e perfeita para quem ama a natureza e quer curtir as atrações do PETAR com conforto! Confira todos os detalhes do nosso roteiro e dicas a seguir.
  • Local: o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira, mais conhecido com PETAR, está localizado ao sul do Estado de São Paulo entre as cidade de Apiaí e Iporanga.
  • Duração: há passeios que podem ser feitos num final de semana, mas há muitos roteiros disponíveis para quem puder ficar mais tempo e conhecer a região.
  • Características: o PETAR possui mais de 300 cavernas numa das regiões de mata atlântica mais preservada do Brasil, aonde encontra-se também muitas cachoeiras e trilhas com níveis de dificuldade variados e que possibilitam a prática de esportes de aventura. A maioria dos passeios do parque pode ser feita somente com o acompanhamento de monitores locais credenciados e há limites de pessoas por dia nas atrações. O parque possui quatro núcleos de visitação: Núcleo Santana, Núcleo Ouro Grosso, Núcleo Casa de Pedra e Núcleo Caboclos. Cada núcleo oferece vários níveis de desafios e cavernas com características distintas entretendo todas as idades e perfis de preparo físico. Este é um passeio excelente inclusive para crianças pois encontramos vários trilheiros mirins aprendendo sobre plantas, cavernas e animais curtindo um passeio diferente com a escola ou a família. E encontramos também os mais aventureiros durante as trilhas praticando a escalada e rapel nas cavernas e abismos da região.
  • Itens essenciais: dentro do parque é obrigatório o uso de calças, camisetas e tênis. Regatas, bermudas e sandálias são proibidas. Além disso, é necessária também a utilização de equipamentos de segurança como capacete e lanterna.  Blusa de frio para a manhã e dentro das cavernas (nossa recomendação são as blusas de fleece pois são leves e secam rápido) e calçado com solado aderente pois há trilhas dentro do rio. Para trilhas mais longas, recomendamos levar o seu kit completo de trilhas (confira os itens básicos AQUI). Não há lanchonetes nem restaurantes no parque então procure levar um lanche para os passeios.
  • Data: Julho/2015.
Quer viajar para o PETAR também? Confira AQUI os pacotes que o blog fechou com a agência Parque Aventuras.
trilha nucleo santana petar
Trilha do Núcleo de Santana no PETAR
Aproveitamos o feriado prolongado de 09/Julho em São Paulo num pacote especial que o Júnior Petar da agência Parque Aventuras preparou para os Trilheiros.net com um roteiro cheio de aventuras, hospedagem, pensão completa, monitor local, entradas no parque, equipamentos de segurança e seguro viagem. Ou seja, nossa única preocupação foi curtir a viagem!
Saímos de São Paulo na quarta-feira à noite e chegamos no Glamping Mangarito que seria a nossa hospedagem durante a viagem. O glamping é uma hospedagem inovadora que mistura os benefícios do glamour com o camping. Como? Oferecendo uma infraestrutura confortável e charmosa com o contato próximo da natureza de um camping. O  Mangarito é o primeiro e único glamping brasileiro e foi lançado com apenas duas cabanas exclusivas. Confira mais sobre o Glamping Mangarito AQUI no blog.
Glamping Mangarito PETAR Iporanga
Glamping Mangarito

DIA 1 – Núcleo Santana

trilha cavernas petar nucleo santana
Trilha no Núcleo Santana no PETAR
Após uma boa noite de sono, acordamos animados para tomar o café da manhã e começar a nossa aventura. As refeições foram servidas na Pousada da Diva que fica em frente ao Glamping Mangarito e pertence a mesma família.
Pegamos o nosso lanche de trilha e para nossa alegria, encontramos o Ditinho que estava a nossa espera. Conhecemos o Ditinho na nossa segunda viagem ao PETAR. Ele é um monitor e excelente guia que conhece muito sobre a região, já participou de várias pesquisas e descobriu oito cavernas no parque!
monitor ditinho trilha petar
Monitor e guia Ditinho nas trilhas do PETAR
Nosso primeiro destino foi o Núcleo de Santana. Estacionamos o carro logo após a portaria e fizemos uma pequena trilha até a Caverna Santana que é a maior do Estado de São Paulo com mais de 10km de salões. A Caverna Santana conta com escadas, passarelas e pontes para facilitar o acesso e permitir que os visitantes explorem seus salões com mais facilidade. Ela é bem bonita e o Ditinho explicou todas as particularidades das formações rochosas que frequentemente acabam criando figuras que provocam a nossa imaginação!
porta retrato caverna de santana petar
Porta retrato na caverna de Santana no PETAR
Depois visitamos a Caverna do Morro Preto que possui um salão bem alto logo na entrada, visitamos uma espécie de mezanino que proporciona uma vista bem bonita da entrada da caverna e um túnel por onde o rio passava.
entrada caverna morro preto petar
Entrada da caverna do Morro Preto no PETAR
Uma experiência bem legal é o chamado blecaute, quando apagamos todas as luzes dentro da caverna e permanecemos em silêncio quase numa meditação. Na Caverna do Couto, o Ditinho já fez inclusive um passeio com um grupo de cegos. E experimentamos como seria esta sensação, apagamos nossas lanternas e utilizamos nossos sentidos de tato e audição para seguir pela caverna num breu total. Eu que sou super desastrada, pensei que não conseguiria dar um passo sem cair ou tropeçar, mas é incrível como o nosso corpo consegue se adaptar ao meio. Caminhamos alguns metros com tranquilidade pela caverna. Ao final, encontramos uma fenda em forma de raio com um verde exuberante atrás.
fenda caverna do couto petar
Fenda da caverna do Couto no PETAR
Por fim, passamos pela Cachoeira do Couto que proporciona uma ótima oportunidade para apreciar a natureza, descansar e fotografar.
cachoeira couto nucleo santana petar
Cachoeira do Couto no PETAR
Voltamos para o estacionamento e comemos os nossos lanches de trilha no refeitório do parque. E aproveitamos o final da tarde para comer pastel e tomar uma cerveja na lanchonete que fica ao lado do glamping.
Quase em frente ao Glamping Mangarito e ao lado da Pousada da Diva, está a loja da Wanilda que possui artesanatos e lembranças do Petar. Vale a pena conferir, além disso ela é uma simpatia só!
loja artesanatos wanilda petar iporanga
Loja de artesanatos e lembranças da Wanilda no PETAR
Chegamos na nossa cabana e um banho quente relaxante incentivou o nosso cochilo! rs Acordamos para o jantar na Diva que serve uma comidinha bem caseira e saborosa. Voltamos para o glamping e ficamos batendo papo no bar Mangarito aonde provamos algumas caipirinhas deliciosas! Destaque para a coluna que leva mexerica, limão siciliano e pimenta rosa.
E fomos descansar pois no dia seguinte, enfrentaríamos uma trilha mais pesada para conhecer a caverna com o maior pórtico do mundo.

DIA 2 – Núcleo Casa de Pedra

trilha nucleo casa de pedra petar
Trilha no Núcleo Casa de Pedra no PETAR
Acordamos cedo para tomar café da manhã e partir para uma grande aventura: conhecer a impressionante Caverna Casa de Pedra que possui o maior pórtico do mundo com 215m de altura.
Pegamos a estrada de terra e chegamos na portaria do Núcleo Casa de Pedra, registramos nossa entrada e estacionamos o carro para começar a trilha. A trilha possui aproximadamente 5,9km e tem uma subida mais forte logo no começo. Considerando a nossa condição, o Ditinho sugeriu pegar um atalho para encurtar a trilha e que traria mais emoção! rs Foi um trecho bem íngrime aonde era preciso apoiar-se em galhos e raízes durante a descida. Atravessamos o rio e após 3 horas chegamos na entrada da Caverna Casa de Pedra.
Eu imaginava que ela seria grande, mas sua altura é impressionante! Há uma queda d’água com uma cachoeira e ao lado um paredão rochoso que é a caverna Casa de Pedra.
Parada para almoço e descanso em frente à caverna Casa de Pedra no PETAR
Parada para almoço e descanso em frente à caverna Casa de Pedra no PETAR
Deitamos nas pedras do rio para apreciar a vista e quando olhamos para cima o céu estava emoldurado pelas pedras da caverna. Vimos uma fenda com uma queda d’água caindo da caverna que de tão alta, desaparecia antes de chegar ao chão.
topo caverna casa de pedra petar
Vista do topo da caverna Casa de Pedra no PETAR
Por enquanto, a caverna infelizmente está fechada para visitação. Até pensamos que ficaríamos desapontados por só poder vê-la do lado de fora, mas a paisagem da caverna vale a pena! É incrível! E o Ditinho ficou de avisar-nos quando reabrirem a visitação para voltarmos.
trilheiros cavernas petar
Trilheiros no PETAR – Caverna Casa de Pedra
O Ditinho contou diversas experiências de escalada nas cavernas e rapel em abismos verticais. Ficamos super animados em experimentar o rapel numa caverna! Já combinamos alguns planos para o futuro…!
vista debaixo caverna casa de pedra petar
Debaixo da caverna Casa de Pedra no PETAR
Regressamos num ritmo mais forte pois o Jr estava ansioso para comer o pastel de novo rs Depois do pastel, tomamos um banho quente, jantamos e deixamos para comer a sobremesa no Bar & Restaurante Mangarito: crepe de doce de leite com sorvete!
Conversamos um pouco com o Júnior do Petar, proprietário do Glamping Mangarito e um empreendedor que visa o desenvolvimento da região por meio do turismo ecológico e de aventura. E está cada vez mais evoluindo em parceria inclusive com o Ministério do Turismo. O blog Trilheiros.net apóia com prazer estes projetos!

DIA 3 – Núcleo Ouro Grosso

Tomamos nosso café da manhã e partimos para a trilha. No roteiro desse dia, não utilizamos o carro pois as cavernas eram próximas ao Glamping Mangarito. Caminhamos até a portaria da Caverna do Ouro Grosso e parecia que todos os turistas decidiram fazer este roteiro! Como há limites de visitação por caverna, a próxima turma disponível seria somente à tarde. Então o Ditinho sugeriu começarmos pela Caverna do Alambari de Baixo.
Esta caverna promove uma experiência bem diferente ao fazer uma trilha com água até o peito (no meu caso pois sou baixinha rs) passando por túneis e paredões rochosos. Mesmo com água gelada, foi muito divertido!!!
descida caverna alambari de baixo petar
Descida para caverna Alambari de Baixo no PETAR
O Ditinho já conhecia o nosso espírito aventureiro, então vira e mexe propunha desafios passando por lugares mais estreitos, pegando bichinhos que apesar de assustadores são inofensivos (como os opiliões que parecem aranhas), provando plantas, enfim aprendendo mais sobre a natureza! Faz toda a diferença  estar ao lado de quem tem paixão pelo que faz e possui tanto carinho pela natureza!
Voltamos para a portaria do Núcleo Ouro Grosso, lá o Ditinho deu uma aula no museu da Casa de Farinha mostrando as ferramentas, técnicas e práticas antigas. Tomamos o nosso lanche e partimos para a Caverna Ouro Grosso.
entrada caverna ouro grosso petar
Entrada da caverna Ouro Grosso no PETAR
Na primeira vez que visitamos o PETAR, passamos por esta caverna que é bem desafiadora e perigosa, mas a parte mais perigosa encontra-se fechada para visitação. Mesmo assim, vale a pena conhecer. A entrada da caverna já começa com uma pequena abertura e uma corrente de água forte passando por dentro dela. É preciso ter cuidado e atenção para não escorregar.
O circuito aberto ao público é somente até a primeira cachoeira com uma queda d’água pequena mas bem forte. O Jr foi o único corajoso que topou tomar banho nesta cachoeira que só de colocar o pé já gelava até o osso rs Segundo ele, foi revigorante receber da cachoeira uma massagem nas costas.
Durante as trilhas, o Ditinho contou algumas histórias de eventos sobrenaturais da região, o Júnior do Petar e o Jurandir do Parque Aventuras também comentaram sobre vozes nas cavernas, luzes nas montanhas ou pessoas que desapareceram inexplicavelmente. Uma dessas aparições diz respeito a bolas de fogo que surgem e piscam no vale entre as montanhas onde não há nada que justifique este efeito. Ficamos tão curiosos que decidimos conferir! rs
mirante boa vista petar iporanga
Mirante da Boa Vista no PETAR
O Jurandir nos acompanhou até o Mirante Boa Vista no qual é possível avistar estas luzes misteriosas. Chegamos ao entardecer e aguardamos os esperados efeitos luminosos. Infelizmente não vimos nada de anormal, mas a noite estava estrelada e pudemos curtir a via láctea no horizonte. Voltamos quando estava batendo a fome e o jantar seria servido.
anoitecer mirante boa vista petar iporanga
Anoitecer no mirante Boa Vista – PETAR

DIA 4 – Cachoeira do Sem Fim

Último dia da nossa viagem, tomamos o nosso café da manhã para depois pegar um trecho da estrada e logo chegar na entrada da trilha da Cachoeira do Sem Fim. É uma trilha curta com três cachoeiras durante o trajeto. Assim que chegamos na última cachoeira, o céu escureceu e em poucos minutos uma chuva gelada começou a cair. Só deu tempo de olhar rapidinho as cachoeiras e voltamos para o carro.
cachoeira do sem fim petar iporanga
Cachoeira do Sem Fim no PETAR
Nosso roteiro incluía o bóia cross após esta trilha, mas nós desistimos devido a chuva. De qualquer forma, durante a nossa outra viagem fizemos o bóia cross e é bem divertido e engraçado! Recomendamos! Então voltamos para o Glamping Mangarito tomar um banho e arrumar nossas malas.
Pegamos a estrada de volta para São Paulo e chegamos em nossas casas com as energias recarregadas e encantados com esta viagem, já fazendo novos planos para voltar! 🙂

Dicas

  • Quando ir: o PETAR funciona de terça-feira a domingo das 8 às 17h. O valor do ingresso é R$ 12,00 e o ingresso para carros: R$ 6,00. Mais informações estão disponíveis no site http://www.ambiente.sp.gov.br/petar/
  • O que comer: o Glamping Mangarito e a Pousada da Diva oferecem pensão completa. A comida é simples, caseira e saborosa. No Bar & Restaurante Mangarito tem um cardápio com crepes e drinks especiais! Vale a pena experimentar as caipirinhas. E tem o pastel na lanchonete ao lado do glamping que é bem gostoso também.
  • Aonde ficar: o Glamping Mangarito possui cabanas num ambiente confortável, rústico e muito charmoso! Fazia tempos que não dormíamos tão bem. Vale a pena conferir! Lembrando que há apenas duas cabanas disponíveis. Ambas possuem banheiro privativo, aquecedor, wifi… E ficam numa espécie de mini floresta mais reservada. E tem a Pousada da Diva que fica em frente ao glamping, os quartos são simples mas é uma boa opção com preços camaradas.
  • Links de interesse: mais informações do Glamping Mangarito (http://www.mangarito.com) e da Pousada da Diva (http://www.pousadadiva.com.br). Para os roteiros, passeios e guias, confira o link da agência Parque Aventuras que organizou nossa viagem (http://www.parqueaventuras.com/br/).
  • Pacotes disponíveis: quem quiser conhecer ou visitar o PETAR, há alguns pacotes disponíveis AQUI no blog e na agência Parque Aventuras.

Galeria de Imagens do PETAR [clique nas imagens para aumentar]

Confira as imagens de duas viagens que já fizemos ao PETAR.

Lu | Trilheiros.net

Blog para quem ama aventuras explorando novos lugares, curtindo a natureza e aproveitando a vida

Deixe uma resposta