Durbar Square de Patan e Bhaktapur – Kathmandu, Nepal

Patan e Bhaktapur, descobrindo a arquitetura das cidades medievais do Nepal.

Namaste!

Dia 21/Setembro, acordamos cedo por causa do fuso (para variar) às 6h am. Durante toda a noite choveu e pela manhã, a chuva ainda não tinha dado trégua…

Tomamos café da manhã no hotel, colocamos nossas anoraks e saímos para conhecer mais sobre o Nepal.

Pegamos um táxi na esquina do nosso hotel, negociamos o valor para Patan – sempre negocie o táxi antes e sempre conseguimos reduzir a oferta inicial. O Taxi de Thamel até Patan foi 400 rúpias, cerca de 4 dólares, sabíamos que dava para ser até menos mas achamos o valor bem ok. Começamos a ter um senso de querer ajudar esse povo (nosso guia Ramesh comentou que a média do valor que um nepalês sobrevive é menos de 800 dólares/ano).

Era horário de pico as 9:30h am e pegamos um pouco de trânsito. No caminho, vimos sobrados e prédios mais recentes e maiores que do Thamel, a arquitetura bem mais urbana, lembra a periferia brasileira.

Chegamos na Durbar Square de Patan, pagamos as entradas (1000 rúpias/pessoa) e para a nossa sorte, parou de chover. Conhecemos o museu e um pouco da história da origem do hinduismo, seus deuses, os chacras.

As principais atrações da Durbar Square de Patan são o Palácio Real e os pátios.

Durbar Square de Patan, Nepal | Trilheiros
Durbar Square de Patan, Nepal | Trilheiros

Durbar Square de Patan, Nepal | Trilheiros

Durbar Square de Patan, Nepal | Trilheiros
Durbar Square de Patan, Nepal | Trilheiros

Próximo a Durbar Square, está o Golden Temple (Templo dourado em português, entrada 100 rúpias/pessoa). Lá encontramos um monge recluso. A torre dourada de Shakyamuni (Buda) foi construída com belíssimas esculturas encravadas nas suas paredes e pinturas que contam a história completa de Buda.

Recebemos a indicação de uma loja de artesanato local e fomos conferir. Vale a pena, a qualidade dos produtos era bem diferenciada. A entrada é apenas uma portinha mas há lojas com lenços, singing bowls e jóias. O lugar chama Patan Fair Trade Center.

Fair Trade Patan, Nepal | Trilheiros
Fair Trade Patan, Nepal | Trilheiros

Almoçamos num terraço com a vista maravilhosa da Durbar Square de Patan no Cafe du Temple.

Depois do almoço, o tempo esquentou e saiu até sol. Conhecemos 3 pátios (chowks em inglês). Um deles, o Sundari Chowk tem no centro uma obra incrível feita por esculturas de pedra conhecida popularmente como banho real. Entre os pátios Mul e Mani Keshab Narayan fica o templo Degu Taleju.

E visitamos o museu sobre a arquitetura nepalesa: estrututa, detalhes das portas e janelas, colunas de madeira com detalhes entalhados. Uma das coisas que mais nos impressionou foi a beleza dos detalhes!

Confira o vídeo desse dia no nosso Canal do Youtube:

Pegamos um taxi até Baktapur (1000 rúpias). Conhecemos Durbar Square (entrada 1500 rúpias/pessoa) um verdadeiro museu ao ar livre repleto de uma arquitetura espetacular que demonstra a habilidade dos artistas e artesãos Neuaris‎ ao longo de vários séculos.

Durbar Square de Bhaktapur, Nepal | Trilheiros
Durbar Square de Bhaktapur, Nepal | Trilheiros

A praça Darbar de Bhaktapur foi severamente danificada por um terremoto em 1934 e parece mais espaçosa do que as outras localizadas em Kathmandu e Patan. Mesmo assim, há construções incríveis que resistiram ao tempo e que vale a pena conhecer.

Na praça ficava o antigo palácio real com suas 55 janelas que foi construído pelo rei Jitamitra Malla e foi a residência da realeza até 1769, sendo agora uma Museu Nacional.

Outra atração é o Golden Gate que leva ao Templo Taleju. Este templo é dedicado à deusa Taleju Bhawani e inclui santuários tanto a Bhawani Taleju como a Kumari. A entrada para o templo é restrito para os hindus e é proibido fotografar o local.

Subimos no templo Nyatapola com múltiplos telhados, este é o maior e mais alto pagode do Nepal que leva a uma vista bonita do vale com montanhas ao redor.

Durbar Square de Bhaktapur, Nepal | Trilheiros
Durbar Square de Bhaktapur, Nepal | Trilheiros

E tomamos uma cerveja everest no New Café Nyatapola, um local com a mesma arquitetura dos templos e um belo local para apreciar a movimentação da praça.

Caminhando pelas ruas de Bhaktapur, conhecemos num dos templos um senhor muito simpatico que convidou o Jr para entrar e conhecer um buda raro. Dentro, era um misto de moradia e santuário hindu e budista. Ele desenhou uma tilak nas nossas testas e ofereceu flores para jogar nas nossas cabeças para dar boa sorte. Em agradecimento, fizemos uma oferenda ao buda.

Tiramos mais algumas fotos e pegamos um taxi de volta para Thamel (800 rúpias). Era horário de pico, umas 17:30h e pegamos bastante trânsito.

No caminho para o hotel, aproveitamos para pegar um croissant e um donuts para comer no hotel.

Descansamos e lá pelas 20:30h saimos para jantar. No caminho começou uma chuva fraca. Fomos no restaurante que já conheciamos com ambiente bem agradável, o Pat Kath. Pedimos momo e frango com arroz, o Jr uma cerveja e eu chá gelado.

Na volta para o hotel, ja não chovia mais. A noite estava fresca e agradável.

Confira o vídeo desse dia no nosso Canal do Youtube:

Outras publicações do Nepal:

Chegando no Nepal

Nepal: cultura, curiosidades e atrações do país

Dia 1: Principais atrações de Kathmandu, Nepal: Thamel e Garden of Dreams

Dia 2: Principais atrações de Kathmandu, Nepal: roteiro a pé do Thamel até Durbar Square

Dia 3: Principais atrações de Kathmandu, Nepal: Monkey Temple

Dia 4: Principais atrações de Kathmandu, Nepal: Durbar Square de Patan e Bhaktapur

Dia 5: Principais atrações de Kathmandu, Nepal: Kopan Monastery, Boudhanath Stupa e Pashupatinath

Dia 6 – Preparativos para o Trekking ao Campo Base Everest, Nepal

Roteiro do Trekking até o Campo Base do Everest

Lu | Trilheiros.net

Blog para quem ama aventuras explorando novos lugares, curtindo a natureza e aproveitando a vida

Deixe uma resposta